Segurança patrimonial: 8 práticas para adequar o controle de acesso

É importante que a segurança patrimonial adote novas práticas no controle de acesso das pessoas.

Com a retomada gradual da economia, reabertura das empresas e a adequação à pandemia, as organizações precisam adaptar diversos setores para proporcionar bem-estar a todos e funcionar adequadamente. Uma das principais áreas é a segurança patrimonial.

Afinal, a segurança patrimonial zela pela proteção dos ativos das empresas e preservação da segurança dos clientes, colaboradores e demais envolvidos. Faz parte disso realizar o controle de acesso acompanhando a entrada e a saída das pessoas e visitantes.

Ou seja, nos tempos atuais de coronavírus e no pós-pandemia, as atividades desse setor são fundamentais para minimizar os riscos e as vulnerabilidades das empresas na questão de:

  • Distanciamento social e aglomeração;
  • Uso obrigatório de máscara de proteção;
  • Identificação de pessoas com sintomas;
  • Higienização dos pontos de acesso;
  • Entre outros.

Assim, os negócios vão poder funcionar com tranquilidade, cumprindo as exigências dos órgãos governamentais, evitando multas e promovendo a saúde e a segurança de todos os colaboradores e clientes. 

Leia também: Pós-quarentena: como adequar o serviço de limpeza de empresas e indústrias

Quais as mudanças das empresas na reabertura?

De modo geral, as indústrias, shoppings e prédios comerciais vão precisar adotar um modelo híbrido de trabalho, mesclando o presencial e o home office, para evitar todos os colaboradores ao mesmo tempo na empresa.

De acordo com levantamento do Cushman & Wakefield, por exemplo, 84% dos executivos entrevistados disseram que já retornaram ao escritório ou pretendem voltar ainda este ano. Desse total, 69% pretendem fazer adaptações no espaço de trabalho para se adequar às novas necessidades de distanciamento e higiene.

E, segundo pesquisa do Gartner, 82% dos líderes empresariais planejam permitir que a equipe continue trabalhando em casa pelo menos durante uma parte do tempo. Mas não é só isso! A flexibilidade será muito importante daqui em diante: 43% vão conceder aos funcionários dias flexíveis e 42%, horários flexíveis.

Vale destacar que tal medida vai ao encontro do desejo dos colaboradores, já que quase 90% dos brasileiros querem uma jornada mais flexível, segundo a pesquisa Workforce of the Future da Cisco.

Outras práticas neste sentido são o escalonamento no horário de trabalho, a alteração do layout de escritórios aumentando o distanciamento e a redução de reuniões presenciais.

Estes aspectos são comprovados por um estudo da Robert Half:

  • 73% dos gestores querem fazer menos reuniões e treinamentos presenciais;
  • 59% vão adotar novas jornadas e turnos de trabalho dos colaboradores; 
  • 52% visam alterar o layout das mesas e espaços de trabalho.

O que a segurança patrimonial pode fazer então para ajudar nos cuidados das empresas? Vamos ver a seguir!

Leia também: Restaurante corporativo: como se adaptar ao novo normal

Importância do controle acesso na segurança patrimonial

Antes de mais nada, vale entender que a segurança patrimonial é formada por uma série de recursos. E as ferramentas vão além do controle de acesso e incluem segurança física, gestão administrativa, vigilância patrimonial e atividades de inteligência.

No entanto, neste artigo, vamos tratar especificamente do controle de acesso, que é um elemento central para proporcionar a proteção dos envolvidos. Com isso, é possível adequar a empresa às recomendações de não aglomeração e preservar a saúde e segurança de todos.

Neste caso, acompanhar a entrada e a saída de pessoas e veículos pode gerar inúmeros benefícios, como por exemplo:

  • Assertividade no controle de acesso;
  • Possibilidade de monitorar temperaturas;
  • Evitar a entrada de pessoas não autorizadas;
  • Fiscalizar quem pode estar em cada ambiente da empresa;
  • Garantir que tenham responsáveis pela entrada de prestadores de serviços, fornecedores e até mesmo clientes;
  • Entre outros.

Como consequência disso tudo, a empresa garante maior segurança, proporciona tranquilidade para os colaboradores trabalharem e promove uma melhor imagem junto ao mercado.

Boas práticas de segurança patrimonial durante e depois da pandemia

No contexto atual, o controle de acesso em portarias, catracas e outros locais de entrada, seja em shoppings, indústrias, prédios comerciais, hospitais e outros, exige cuidados extras. Por isso, veja as 8 principais estratégias de segurança patrimonial que podem ser aplicadas:

1. Utilização de termômetro

Para evitar a entrada de pessoas com sintomas da Covid-19, é importante usar o termômetro digital infravermelho para aferir a temperatura, seja de colaboradores, clientes, fornecedores, entre outros. Se a temperatura estiver acima de 37,8ºC, a pessoa deve ser impedida de entrar e orientada a procurar ajuda médica para evitar o risco de contaminação.

2. Câmeras para videomonitoramento 

O uso de câmeras para vigilância dos ambientes internos e externos da empresa não é nenhuma novidade. O objetivo é verificar possíveis fraudes e delitos e, com o apoio de uma Central de Controle Operacional, monitorar as imagens para garantir uma fiscalização eficiente. 

Além do que, as câmeras ajudam na contagem de pessoas, apoiando o controle do fluxo de pessoas dentro de lojas e outros comércios, por exemplo.

Assim, é possível adotar tanto ações preventivas ao visualizar atividades e atitudes suspeitas de pessoas ou reativas no caso de tentativas de vandalismo, invasão, roubo e outros incidentes.

Hoje em dia, as câmeras também ajudam para identificar se as pessoas estão usando as máscaras exigidas e até para medir a temperatura, impedindo a entrada de quem estiver sem proteção e aumentando a segurança.

Saiba mais: 6 passos para melhorar a segurança corporativa

3. Sinalização e marcação do distanciamento social

A segurança patrimonial pode auxiliar durante suas rondas físicas ou on-line no respeito ao distanciamento social. A distância recomendada de 1,5 metro deve estar sinalizada, comunicada e marcada em entradas das empresas, corredores, halls de espera, elevadores, lojas e até em salas de reuniões a fim de evitar aglomeração.

Assim, a equipe de segurança pode orientar para o cumprimento do espaçamento e garantir o número máximo de pessoas permitidas ao mesmo tempo em cada local. Afinal, mesmo com as flexibilizações no isolamento social, ainda é preciso manter cuidados efetivos dentro das empresas para evitar contaminações.

4. Disponibilização de álcool em gel

As empresas devem fornecer o uso do álcool em gel logo na entrada para que colaboradores e clientes higienizem as mãos, diminuindo as chances de pegar a doença. Os totens ou dispensers contendo o produto devem ser acionados pelos pés para não haver contato direto com o equipamento.

Além disso, o álcool em gel deve ser disponibilizado dentro do elevador e nos corredores onde se encontram os escritórios comerciais. Vale lembrar que as maçanetas e objetos de contato comum ajudam a espalhar os microrganismos nas empresas.

Segundo experimento realizado pela Universidade do Arizona, ao aplicar um vírus em superfícies como maçanetas e bancadas de mesa, ele consegue infectar cerca de 40% a 60% dos trabalhadores e visitantes nas instalações dentro de 2 a 4 horas.

5. Equipamentos para a equipe de segurança patrimonial

Para fazer seu trabalho com eficiência, monitorando e controlando o acesso e sem se colocar em risco, a equipe de segurança patrimonial deve ter os equipamentos adequados. Por exemplo: máscara de proteção, viseira, álcool em gel, luva, termômetro, entre outros.

Neste caso, os profissionais também devem ser treinados e capacitados para manusear com cuidado os equipamentos de segurança.

6. Limpeza frequente de catracas e acessos

Uma medida fundamental para minimizar a disseminação do vírus e garantir a saúde de todos é reforçar os serviços de higienização. Vale a pena intensificar as atividades em catracas e pontos de contato constante, como os botões de elevador, os sensores de biometria, maçanetas e outras.

7. Adoção de placas acrílicas

Outra boa prática é adotar placas de proteção de acrílico para garantir a separação da equipe de segurança patrimonial na entrada e controle de acesso, evitando o contato direto com visitantes, clientes, fornecedores ou outras pessoas que chegam.

Tais placas podem ser implementadas também nas cabines onde os profissionais ficam localizados. Inclusive, se você tiver um departamento de segurança com um Centro de Controle Operacional, é importante colocar essas divisórias entre os postos dos trabalhos dos funcionários.

8. Identificação de acesso sem toque

Também é importante proporcionar formas de acesso para colaboradores e visitantes sem uso do toque. Afinal, a leitura biométrica, na maioria das vezes, depende do contato físico e o acionamento de bloqueios físicos, como catraca e porta, também. 

Para substituí-los, é possível usar portas automáticas com sensor de presença e tecnologias inteligentes, como impressões digitais a distância, leitura de íris não invasiva e reconhecimento facial.

Dica Bônus

Uma boa prática extra para a segurança patrimonial no controle de acesso diz respeito à entrada e à saída de veículos. Isso vale tanto para os profissionais que trabalham em empresas, fornecedores com descargas de caminhões em indústrias, entrega de produtos e mercadorias em prédio comercial, visitantes em shoppings, entre outros.

Neste sentido, vale a pena fazer o cadastramento de placas em empresas, indústrias e condomínios comerciais, agilizando o processo e garantindo a liberação do acesso por reconhecimento dos dados. 

Leia também: Conheça os principais recursos da segurança patrimonial para a sua empresa

Qual o papel da liderança na segurança patrimonial?

Como você viu, são muitas ações que devem ser implementadas pelos gestores no setor de segurança patrimonial para reduzir o risco de contágio e disseminação da doença, bem como promover a saúde de todos.

É importante destacar que a segurança patrimonial exige a análise de riscos e vulnerabilidades, a construção de estratégias efetivas e de um plano de proteção, além do uso de melhores soluções e tecnologias. Da mesma maneira, é necessária uma gestão adequada de todos os recursos envolvidos e uma liderança forte para implementar todos os processos.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança, o mercado de segurança eletrônica faturou R$ 7,17 bilhões em 2019 e cresce, em média, 8% ao ano. Então, este é um setor essencial que as empresas devem investir hoje e sempre.

Como introduzir as medidas com um parceiro especializado

Para te ajudar neste processo, conte com uma empresa especializada em segurança. Com mais de 20 anos de experiência, a Resolv atua com serviços de facilities (higienização e desinfecção de ambientes), segurança (proteção inteligente) e alimentação (restaurantes corporativos). 

Com mais de 6 mil colaboradores e presentes em mais de 200 cidades, investimos fortemente na satisfação e bem-estar dos profissionais que atuam em nossa companhia para a entrega de um serviço de qualidade e excelência. 

Com nossas soluções em serviços de segurança, elaboramos projetos conforme a sua necessidade e de acordo com uma minuciosa análise de riscos para cobrir os pontos mais vulneráveis do ambiente.

Além disso, trabalhamos com inteligência integrada, utilizando importantes ferramentas como central de alarme integrado com imagens, controle de cobertura de postos por biometria, rondas virtuais por imagens e checagem on-line das rondas.

Quer saber mais sobre nosso serviço de segurança? Entre em contato agora mesmo com os nossos especialistas!

 

Gerenciamento de riscos: tudo o que você precisa saber
O gerenciamento de riscos evita que a empresa seja prejudicada por possíveis problemas. Saiba mais!
Saiba mais
7 dicas para promover a segurança do trabalho
Investir na segurança do trabalho é uma estratégia fundamental para as empresas evitarem acidentes.
Saiba mais
Por que terceirizar a segurança patrimonial é essencial nos centros logísticos?
A segurança patrimonial é uma estratégia essencial para os centros logísticos reduzirem os custos.
Saiba mais